Uma Redação de 1ª

Olá meus nobres colegas

Estamos retomando as postagens sobre redações e para marcar este retorno deixo aqui com vocês um texto da Al Of PM Carine, 01 do último concurso do CFO da Bahia. Esta não foi a redação da prova em que ela passou, foi um texto produzido no período em que estava estudando para passar no concurso. Confiram a excelente dissertação!

Por Carine – Cadete da PMBA

A imagem de detentos decapitados, no presídio de Pedrinhas, no Maranhão, ratifica o caos do sistema carcerário brasileiro. Como garantir os Direitos Humanos, em cenários de barbárie, presentes em grande parte dos cárceres?

SISTEMA CARCERÁRIO X DIREITOS HUMANOS

O Brasil possui a 4º maior população carcerária, mais de 550 mil presos, dentre os quais 217 mil são presos provisórios, ou seja, não foram condenados. Dentre os fatores que concorrem para o inchaço nas cadeias, a morosidade judiciária e a restrita aplicação de penas alternativas são causas principais, uma vez que sem assegurar um processo ágil, a finalidade de ressocializar o preso fica comprometida. A reincidência de quase 60% dos réus primários ratifica a necessidade de repensar o sistema prisional como um todo, e garantir que o preso seja um sujeito de direitos.

A crise do sistema prisional decorre da dificuldade do Estado em acompanhar a escalada da criminalidade. Sua superação deve ter como eixo balizar os princípios dos Direitos Humanos, cujo cerne é o reconhecimento da dignidade do ser humano, sem submetê-lo a tratamento desumano ou degradante. Inserir esta máxima na gestão de políticas públicas direcionadas aos presídios requer esforços de vários segmentos: educação, saúde e segurança pública. Para que o presídio não seja apenas um depósito de mazelas sociais, mas sim um ambiente de reparação e ressocialização de transgressores.

Os retratos de violência dentro dos presídios brasileiros, como Carandiru e Pedrinhas, devem ser superados. Repensar o sistema prisional brasileiro é o caminho para que cenas lastimáveis não se repitam, e os Direitos Humanos não sejam reduzidos ao plano dos discursos, mas sim vivenciados.

Comments

  1. By Camila dos Santos Lyra

    Responder

  2. By Cleane

    Responder

  3. By anonimo

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *