A tela do terraço

post sobre a tela do pardal e mulher mandona

Bendita tela

Se quer algo bem feito, faça você mesmo.

Com essa frase de efeito eu tentei convencer minha esposa para que eu não fizesse alguns afazeres domésticos. Bem, não adiantou.

Na última, coronel Dona Maria (vamos assim chamá-la para preservar sua identidade), ordenou-me que colocasse uma tela no terraço pois os pardais estavam entrando e fazendo muita bagunça. Missão dada é missão cumprida. Lá vou eu.

Ocorre que não havia meios para cumprir as ordens. Com uma tesoura cega, um barbante arrebentando, uma tela não própria e que não tinha o comprimento adequado, me aventurei feito um macaco a ficar dependurado no terraço de casa, no limite entre o suicídio e prodígio. 

Missão cumprida

Quatro horas depois, após muitas expressões como: “Oh miséria, Sangue de Jesus tem poder, tela filha de uma meretriz….” entre outras, o serviço ficou pronto. Dona Maria chegou, olhou, fez cara de desdenho e saiu. Normal.

Passado algum tempo, com os barbantes já estourando, parte da tela meio que caindo, um ou outro pardal conseguia adentrar o terraço, tentava, assim, fazer seu ninho e suas necessidades fisiológicas mais primitivas. Com isso, Coronel Dona Maria despiu-se por um momento de sua autoridade e encarnou o POVO, começou a reclamar, dizendo que desde o princípio aquele troço não prestava e destruiu o que havia sido construído, mesmo após toda minha assessoria, dizendo que não o fizesse pois ficaria pior.

Ontem, já novamente dentro de sua autoridade constituída pelo poder do casamento ocidental, me disse que o terraço estava uma bagunça, cheio de ninho de pardais, galhos, fezes e que a situação havia ficado insuportável.

A polícia e os pardais

Mansamente eu expliquei a ela que a tela era como a Polícia. Não era a melhor do mundo, mas com os recursos que ela tinha, fazia o melhor. É como a letra de uma música do Engenheiros do Hawaii “Somos o que dá pra fazer”. Tentei explicar que era assim que as coisas aconteciam. A polícia sempre é mais lembrada pelos pardais que ela não consegue cercar do que por todos aqueles que ela consegue impedir que faça suas façanhas. E diga-se de passagem, por incrível que pareça a analogia, ninguém prende pardal neste país. A polícia é a última barreira para o caos. Retirada a tela, o terraço fica inabitável.

Minha esposa, com olhos serenos, achei, até, que meio emocionados com a explicação, olhou bem pra mim e disse aquelas palavras que não vou esquecer: “para de fazer drama e vai lá colocar a tela de novo”. Como a última palavra é minha, sim senhora, permissão pra me retirar; prestei a devida continência, meia volta e lá vou eu colocar a tela – de novo!


Gostou do post? Curtam também a nossa página no FACEBOOK e também no Instagram!

Comments

  1. By Lucas

    Responder

  2. Responder

    • By Weslley

      Responder

  3. By Rural na veia

    Responder

  4. By Luciano

    Responder

  5. By Isa Lazzarini

    Responder

  6. By Kariny

    Responder

  7. By Marcos Maurício

    Responder

    • By Weslley

      Responder

  8. By José Geraldo

    Responder

  9. By Godinho

    Responder

    • By Weslley

      Responder

  10. By Adnilson

    Responder

  11. By Valdeci Faustino

    Responder

    • By Weslley

      Responder

  12. By Barbosa

    Responder

    • By Weslley

      Responder

  13. By Leonardo

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *