Os Simpsons da segurança

post sobre a segurança pública e a relação com os simpsons

Simpsons, ovos e segurança: qual a relação?

O questionável e polêmico desenho dos Simpsons é considerado por muitos um ícone na sátira e deboche das sociedades, em especial a americana. Já teve espaço para umas boas zueiras com os brasileiros também. Para outros, é um desenho de mau gosto e péssimo exemplo para crianças. Não vou entrar nesse mérito

Também não vou analisar a polícia de Springfield. Um caso a parte. Aliás, aquele chefe de polícia me lembra alguém…

Quero fazer menção de um episódio em que o personagem Bart acha alguns ovos. O garoto os leva até sua casa e literalmente choca tais ovos. Com o passar dos dias nascem duas criaturas pré-históricas, um tipo de dinossauro que parece um lagarto voador. O que era novidade no começo e motivo de alegria vira uma tragédia. Os animais começam a reproduzir e comer todos os ovos de outros animais. Se continuasse naquela rotina, em breve, outros animais estariam extintos.

Para resolver o problema o prefeito da cidade dá uma entrevista mostrando como seria resolvido: primeiro importariam uma espécie de cobras da Austrália que comem tais lagartos. O repórter pergunta então como seria feito para acabar com a população de cobras que, logicamente, aumentariam. Neste momento a tela do desenho fica preta e começa aparecer aqueles créditos. Nisso, o áudio continua com ele respondendo que seriam importados umas siriemas da Europa que comem Cobras. O repórter continua. O prefeito rebate que seria importados uns gorilas da Africa que comem siriemas…

A crítica é clara. Estamos diante de promessas momentâneas que não resolvem e que, certamente, deixarão uma herança negativa para a administração futura.

E a segurança pública?

Falta na área de segurança do país uma política de Estado e não de governo, um plano a longo prazo, com metas bem definidas, discutidas com profissionais e especialistas despidos de ideologias partidárias e com o envolvimento da sociedade. Enquanto isso não acontecer, teremos uma política de segurança que dura 04 anos. Talvez 08. Que muda conforme o gestor. Política em que as polícias são usadas para fazer política. Que as soluções são paliativas e resolvem o problema momentâneo sem compromisso de algo perene. Você já viu em cidade pequena – em que os tribunais de contas já condenaram – a prática de pintar os prédios públicos da cor do partido que ganhou as eleições? Pois é, fico feliz de nossas viaturas manterem as cores previstas para a instituição. Já imaginou a cada quatro anos termos que pintar a viatura de vermelho, azul, amarelo, verde…Viu? Poderia ser bem pior…

Deixamos claro com esse texto que não cometemos o erro da generalização. Muitos estados caminham com boas políticas de segurança, mas outros, ainda precisam aprender a não ser Os Simpsons da Segurança.


Gostou do Texto? Veja o post anterior da série Segurança pública e desenhos animados. Curta, compartilhe e acesse a nossa página no FACEBOOK-QSP e também no Instagram (@queroserpolicia)

Comments

  1. By Giselle

    Responder

  2. By Wendel

    Responder

    • By Mineiro

      Responder

  3. By David

    Responder

    • By Mineiro

      Responder

  4. By Mákson

    Responder

    • By Mineiro

      Responder

  5. By David

    Responder

    • By Mineiro

      Responder

  6. By Felipe

    Responder

  7. By Jessé

    Responder

  8. By Rodrigues

    Responder

    • By Mineiro

      Responder

  9. By Valerio

    Responder

    • By Mineiro

      Responder

  10. By Gerson Rocha de Souza

    Responder

  11. By Jordão Vieira

    Responder

    • By Mineiro

      Responder

  12. By Sem nome

    Responder

  13. By Adnilson

    Responder

  14. By Leonardo

    Responder

    • By Mineiro

      Responder

  15. By Eliakim

    Responder

    • By Mineiro

      Responder

  16. By Matheus Bernardes da Silva Santos

    Responder

    • By Matheus Bernardes da Silva Santos

      Responder

  17. By Marcos

    Responder

Responder a Wendel Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *