Reforma previdenciária de policiais

post sobre a reforma da previdencia para militares

Reforma da previdência: a polícia em foco

Tendo em vista que os governadores não tem força política ou não quiseram se desgastar com as corporações a nível estadual, a reforma da previdência dos militares estaduais foi transferida a União para que entre no pacote da PEC 287.

Não vou entrar aqui nas minucias do que o projeto quer fazer, mas em linhas gerais, uma série de direitos conquistados com muito sacrifício durante anos de luta estão a mercê de canetadas e discutidas com pouca tecnicidade em detrimento de muita política.

O Brasil precisa de uma reforma. Nós, militares estaduais e federais não nos furtaremos a nossa contribuição, mas caro leitor, pense comigo, acha justo que os militares sejam inclusos na mesma medida e no mesmo pacote dos demais servidores públicos?

Talvez a primeira resposta possa ser um sim, mas veja: as policias militares são a maior força de manobra no Brasil. São os militares os grandes garantidores do Estado democrático de direito. Para isso, não temos direito a greve, sindicalização, limitações a concorrência eleitoral, não temos FGTS, insalubridade, horas extras (PMMG), periculosidade, entre uma série de outros direitos garantidos a outros trabalhadores, além das diversas movimentações que sofremos.

No meu estado o oficial de justiça ganha periculosidade mas o PM que vai com ele quando o local se mostra perigoso pela presença de criminosos, não.

A união quer acelerar o processo de liberação da indenização da família dos presos que morreram nas penitenciárias, valor este de aproximadamente 100 mil reais por preso, mas em muitos estados da federação, várias famílias não foram indenizadas até hoje pela morte de PMs em serviço, combatendo o crime (e não cometendo como no primeiro exemplo), além do que, em alguns estados, a indenização pela morte do policial é de 25 mil, ou seja, um agente do estado vale 4 vezes menos que um presidiário.

Deixo aqui meu último exemplo e mais polêmico. Nos comentários quem quiser discordar fique a vontade … o governo quer aumentar o tempo de contribuição dos militares. Se o policial entrar com 30 anos e eles passarem o tempo de contribuição para 40 anos, como alguns defendem, você, caro leitor, vai ver policiais com 70 anos, isso mesmo, 70 anos fardado e tendo que virar noite, subir morro, correr atrás da bandidagem. É muito absurdo. Mas perceba, muita gente, e não digo que estas pessoas estão erradas, pelo contrário, estão certas, em sua busca de qualificação, entram no mercado de trabalho por volta dos 30 anos. Eu entrei na PM com 18 anos, minha juventude foi dedicada a sociedade. Sem carnavais, festas na cidade, etc, pois em todas, eu estava trabalhando. Acha justo que se coloque um teto mínimo para todas as profissões juntas? Ou seja, qual vantagem fez quem começou mais cedo? A lógica diria sair mais cedo, mas não, estão querendo bater tudo num pacote só.

Termino o texto por aqui. O governo federal só aceita a renegociação das dívidas dos Estados sobre a condição destes retirarem direitos dos servidores públicos. É isso. Eu não gastei bilhões para a copa do mundo para deixar estádios erguidos como elefantes brancos ou com as olimpíadas e seu “legado”. Não faço parte do maior esquema de corrupção do mundo, percebam, DO MUNDO, mas querem que eu pague a conta duas vezes, a primeira como contribuinte, a segunda como funcionário público.

E aí caro leitor, gostou do nosso post? Se gostou, acesse também a nossa página no FACEBOOK-QSP e também veja a nossa ÚLTIMA POSTAGEM. Até a próxima!

Comments

  1. By Karlos Nascimento

    Responder

  2. By mineiro

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *