Polícia: a cereja do Bolo

post sobre a cereja do bolo e a polícia

O panetone de cereja

Chega de falar de meu casamento e expor ao ridículo as nossas façanhas de casal. É hora de falar do casamento alheio…

Fomos passar o Natal na casa de uns primos da minha esposa. Chegando lá, encontramos uma mulher frustrada e um tanto quanto brava. Não dá pra acreditar que com dez anos de convivência o marido desceu ao centro comercial e após ter recebido o pedido da esposa para comprar um chocotone (diga-se de passagem que a dita cuja estava de dieta a mais de mês), lhe traz um panetone de chocolate com cerejas. Não, meu caro amigo leitor, não foi uma tentativa de melhorar. Ela odeia cereja e coincidentemente, seu marido ama chocotone de cereja. Estranho essas coincidências de casamento, não é? Não é mesmo dona esposa que me comprou uma torta esses dias que eu não gosto e que coincidentemente você ama (pare de mandar indiretas Weslley…).

20 anos de curso e o Senhor está sem bandoleira, 23?

Dez anos de casado não é suficiente para você conhecer uma mulher. Aliás, nem uma vida toda, mas você já sabe, pelo menos, o que ela gosta de comer.

Grande parte das polícias do Brasil já caminha em torno de dois séculos. No hall que foi sendo transmitido de forma muito empírica de geração em geração nos cursos de formações e pelos “antigões” aos mais modernos. Hoje, a transmissão é muito mais técnica e já existe doutrina escrita a respeito de procedimentos padrões, administração gerencial, estatísticas criminais, etc.

A polícia e seus interesses

Com tudo isso que foi mencionado já é possível saber o que a polícia – enquanto instituição – precisa receber de recursos (humanos e logísticos). No entanto, não poucas as vezes, a polícia recebe um panetone de cereja. Não é porque ela – a polícia – simplesmente não gosta. É porque, literalmente, não a serve.

Você já viu viaturas que não são condizentes ao serviço policial? Quartéis e delegacias improvisadas? Efetivos aquém do necessário? Enfim… acho que não preciso prolongar nos exemplos.

E o triste é ver que o marido que mantém essa esposa sabe disso e continua mantendo seus próprios interesses. Usam de umas “licitações” para comprar o mais caro com a menor qualidade só por causa de uma coisa: gostam da cereja. E só pra não deixar passar, esse chocotone de cereja vem numa lata enfeitada bem bonita. Acho que já falamos de casca x conteúdo num outro post. Se quiser ver mais sobre isso e casamento Clique aqui.

Vamos esperar pra ver os próximos natais…


E aí, gostou do texto? Deixe seus comentários e compartilha com seus amigos, ajude-nos a levar este conteúdo para outras pessoas. Visite-nos também no Instagram (@queroserpolicia) e no FACEBOOK-QSP.

Comments

  1. By Carla

    Responder

    • By Weslley

      Responder

  2. By Valdeci

    Responder

  3. Responder

  4. By Maxwell

    Responder

  5. By Luíza Helena

    Responder

  6. By Rodiney

    Responder

  7. By Lucas Andrade

    Responder

  8. Responder

    • By Weslley

      Responder

  9. By Weslley

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *