Pega o Pombo

post sobre a captura do pombo

Pegar o pombo é a missão

Na minha infância eu via o desenho da figura acima. Três homens e um cachorro (não sei, mas parece cachorro…), inventam todo tipo de aviões com o objetivo de capturar um pombo correio.

Esse aparente cachorro é o Muttley. Muttley tem uma perspectiva de vida muito diferente de pegar o pombo. Ele quer é ganhar medalhas. Até para salvar seus companheiros ele exibia a célebre frase: “medalha, medalha, medalha”.

Já Dick é o personagem principal. Ele é o narrador do desenho, o cantor da música que soa até hoje na minha cabeça, algo do tipo: “pegue o pombo, pegue o pombo, …”. Talvez, não à toa, no dia em que saímos para cumprir um mandado onde o objetivo era apreender um fuzil e voltamos com um passarinho na gaiola, batizamos, informalmente, entre nós, a operação de: Operação pegue o pombo! rs

Os outros dois personagens são um engenheiro maluco que constrói as bugigangas voadoras e um piloto medroso.

Assim como aguardávamos ansiosamente o Coiote pegar o Papa-léguas os fãs do desenho nunca viram a captura do pombo.

E o que toda esta nostalgia tem a ver com segurança, foco principal do site? Bem…seria muita maldade minha comparar segurança com a esquadrilha em questão…então vamos transformar a segurança no desenho…bora comigo…

A forma de capturar o pombo era através de aviões. Aviões têm regras próprias, são cercadas de leis, restrições e limitações. Pombos não. Voam do jeito que querem e não obedecem a lei alguma. Por isso, fazem manobras evasivas muito mais fáceis.

Graças ao valor de homens e mulheres destemidos, a prática de capturas de pombos no Brasil tem sido bem sucedida. Contudo, tem muito pombo nesse país. Além da quantidade, faltam gaiolas pra prender tantos pássaros, que são logo colocados em liberdade como medida mais eficaz para o problema. Não bastasse isso, há muita sociedade protetora de pombos e poucos estão preocupados com as doenças sociais que eles transmitem.

Dias desses estava estudando um pouco sobre o tráfico de drogas no Brasil. Em algumas cidades, a concentração de esforços contra o tráfico de drogas diminui o número de crimes violentos (roubos, homicídios, latrocínios). Em outras cidades, essa incisão aumenta o número dos mesmos crimes. A conclusão a que se chega é que o tráfico de drogas tem comportamento anômalo, diferente em cada local. Traduzindo: nem sempre é possível identificar corretamente o pombo.

P.S Esse parágrafo não é nem de longe um desincentivo ao combate ao tráfico de drogas. Estamos falando aqui de concentração de esforços, forças tarefas, etc.

Por fim, uma guarnição foi atender uma ocorrência. Chegando ao local fez a prisão do autor. Um terceiro que nada tinha a ver com os fatos começou a desacatar os militares gritando da janela de sua casa uma série de ofensas. Quando os militares deslocaram para fazer a prisão deste, foram surpreendidos por este autor com uma escopeta na mão e atirou na direção dos militares. Para salvaguardar suas vidas foi feito um disparo que acertou o infrator, que embora socorrido, não resistiu aos ferimentos. Resultado final, os militares foram pronunciados por homicídio, pois, segundo entendimento de quem elaborou tal peça, se eles não tivessem ido fazer a prisão, o homicídio não ocorreria.

Pior do que correr atrás de pombo… é…

não ter o equipamento adequado para pegar pombo…,

ver o pombo não precisar se preocupar com limitações e leis…

ver os pombos saindo por falta de gaiolas,

ter tanta gente para defender pombos e ninguém para defender os que voam e de vez em quando perdem suas vidas, afinal de contas, isso aqui não é desenho…

 tolerar medrosos sem vocação…

 Muttles…

pior é se sentir: O POMBO.

Gostou do texto? Se não viu o nosso último post CLICA AQUI e curte também a nossa página no FACEBOOK-QSP e no Instagram também.

Abraços

Comments

  1. By Diego Barbosa

    Responder

  2. By Mineiro

    Responder

    • By Diego Barbosa

      Responder

  3. By Pedro

    Responder

  4. By Leonardo

    Responder

  5. By LUCAS ANDRADE DA SILVA

    Responder

  6. By Adnilson

    Responder

    • By Mineiro

      Responder

  7. By Joans

    Responder

    • By Jordão Vieira

      Responder

  8. By LEONARDO SILVA SANTOS

    Responder

    • By mineiro

      Responder

Responder a Pedro Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *