O Mensalão

imagem que faz o topo do post sobre mensalão
Por Mineiro
Bacharelando em Direito
       Prestes a terminar um dos maiores julgamentos políticos da história do Brasil, a ação penal 447,  mais conhecida como Mensalão, dá sinais e esperança ao povo que nem tudo está perdido. Iniciado sob um clima de desconfiança, apostado por muitos como mais um término em “pizza”, em calorosas discussões entre o relator Joaquim Barbosa, tido por muitos como justiceiro, e o revisor, Ricardo Lewandowski, que sai com a imagem negativa para o público leigo, caminha para o fim com algumas condenações já pré-definidas e penas que superaram a expectativa de muitos.
         O mensalão extrapolou as linhas de um julgamento comum. É mais do que isso. É um julgamento político. Envolve servidores do executivo, do legislativo e altos escalões de bancos e financeiras. É tido por muitos como perseguição política, para outros, os condenados são apenas alguns que pegaram para “Cristo”, num esquema muito maior que vem de anos e anos no Congresso brasileiro. Não é de hoje que existem denúncias a respeito da compra de votos de parlamentares para apoiarem projetos do governo.
         Apesar do aparente clima de vitória que paira na imprensa e na sociedade, por trás, no íntimo de cada brasileiro, há um sentimento de frustração e expectativa. Frustração na medida que, durante anos, muitos dos denunciados, (expressão melhor a ser utilizada, uma vez que condenado é termo que define o transito em julgado) lutaram pela abertura política no Brasil, lutaram pela democracia e aproveitaram desta para satisfazer seus próprios interesses, perderam o norte da república, da coisa pública, de todos, para beneficiar uma minoria. Expectativa no que concerne a não somente ver os denunciados condenados, mas vê-los presos, encarcerados, atrás das grades como qualquer outro criminoso.
         O maior esquema de corrupção do Brasil, nas palavras de um dos ministros do Supremo Tribunal Federal, pode não ter acabado, afinal de contas, eliminar totalmente a corrupção é muito difícil, mas pelo menos, o julgamento do mensalão é um marco, uma amostra que a tripartição de poderes idealizada por Montesquieu, nos freios e contra pesos dos poderes, está funcionando e que o Brasil não é o país da impunidade.

Comments

  1. Responder

    • Responder

  2. By mineiro

    Responder

    • Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *