Nem sempre dá para ganhar

post sobre ganhar e perder

Ganhar, ganhar e ganhar…

Admito, sou muito competitivo. Não gosto de perder nem campeonato de purrinha. Eu e a derrota não nos damos muito bem.

Quando eu era pequeno, perdia, chorava. Com o passar do tempo, comecei a ficar chateado. Hoje, ah, hoje continuo não gostando de perder, mas, a vida traz seus ensinos e você começa a lidar melhor com as derrotas, afinal de contas, você vai mais perder do que ganhar enquanto viver. Destarte, fui me adaptando e quando o adversário era muito grande eu fazia o que faz todo bom competidor: treinava até ganhar? Não, desistia antes que ficasse muito feio. Alguém aí consegue montar aqueles cubos mágicos? Eu desisti. Se for para sofrer e perder, fiquei só no jiu-jitsu e xadrez mesmo.

Outras “estórias”

Mas como disse, a vida vai te ensinando a lidar com isso. Certo dia, aquela mesma turma do UNO e da PESCARIA, partiu para Juiz de Fora. Objetivo: Paint ball e corrida de Kart. Vamos explicar as derrotas uma por uma.

A vida

No paint ball fizeram uma divisão esquerdista onde ficou eu, as crianças, gente que não sabe atirar, gente que tem medo até de bombinha de são joão, esqueceram, apenas, de colocar as cotas, do tipo, um tiro mata três, ou coisa parecida. A derrota era inevitável. Igual o time do Vasco: feito para perder.

Já que havia pago para perder era hora de ver como eu lidaria com a derrota. Assim o fiz. Coloquei como meta: sentar tiro em dois colegas rivais; um que era polícia da minha turma e outro paisano cheio de marra da minha cidade. Pronto.

Após perder o jogo de maneira vergonhosa, saí de cabeça erguida. Meu colega policial estava com uma camisa preta com tanta marca amarela de tinta dos tiros que tomou que não houve nem aquela zoação básica do vencedor. E meu amigo conterrâneo, bem, esse traz até hoje marcado em seu corpo, as marcas dos tiros (isso porque eu respeitei os limites e distâncias).

Fomos para o Kart. Esqueci de dizer: tenho um primo mais competitivo que eu. Seu objetivo não é somente ganhar, mas ganhar de mim, especificamente. Ele aprendeu com os Mamonas “Te falei que o importante é competir mas te mato de pancada se você não ganhar”.

Volta daqui, volta de lá e ele “ganhou”. Ocorre que o computador colocou que eu fiquei a frente dele e aí já sabe, né, vale o que está escrito. Acho que ele está até hoje brigando com o cara que opera o computador lá.

A polícia

Na polícia também é assim. Você forma e quer ganhar sempre. Sai batendo viatura, correndo feito um maluco. Com o passar do tempo, aprende a administrar suas derrotas e comemorar suas pequenas vitórias.

Nem sempre você acha a arma ou a droga do sujeito que correu de você, mas já é bem legal ver ele voltando pra casa a pé pois o veículo foi guinchado.

Nas derrotas, há sempre vitórias.


Curtam a nossa página no Instagram (@queroserpolicia)

Comments

  1. By Matoso

    Responder

    • By Weslley

      Responder

    • By Isabella

      Responder

  2. By Aparecida Maceió

    Responder

  3. Responder

  4. By Gi

    Responder

  5. By Nivaldo Carvalho Júnior

    Responder

    • By Weslley

      Responder

  6. By Silvio

    Responder

  7. Responder

    • By Weslley

      Responder

  8. By Rodiney

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *