Trakinas é mais fresquinho e vende mais ou porque vende mais é mais fresquinho?

post sobre os biscoitos trakinas
Sociedade trakinas

Contava uma parente da minha esposa, porque cunhado num é parente de ninguém, salvo do seu cônjuge, que a amiga dela estava reclamando do tráfico de drogas no bairro. Tinha medo que algum dia, por desentendimentos comerciais previstos no Código de Defesa do Consumidor (Se quiser entender melhor, clique AQUI) a situação levasse a um tiroteio que sobrasse um poucochinho pra ela também.

Pois bem, certo dia, essa pessoa abriu a porta da sua casa e viu algumas buchinhas de maconha e sacolés de cocaína deixadas ali próximo. Por isso, tal modalidade criminosa é conhecida de tráfico de formiguinha. Poucas porções que ficam espalhadas em diversos locais, facilitando a desqualificação de tráfico para usuário face a quantidade apreendida.

Em vez de ligar para a polícia e entregar a quem de direito o material para ser apreendido (ainda que o fizesse de forma anônima), a ser que anda e fala (e exigir que raciocinasse seria demais…), chamou o traficante que mora próximo a sua casa e entregou a ele o material, dizendo que era dele.

Quando vejo situações como essas eu fico a pensar: será que a instituições públicas estão tão em descrédito a ponto da população preferir auxiliar o tráfico mesmo correndo todos os riscos que ele trás para sua família ou será que a população é tão ruim, infratora, mercenária, que forma instituições nesse nível (a polícia, o judiciário, os políticos não vem de Marte. São recrutados no meio da sociedade. Como disse LACASSAGNE (1885), “Cada sociedade tem os criminosos que merecem”). É interessante ressaltar que essa pessoa mora numa localidade com baixíssimos índices de crimes violentos e, em tese, não haveria tantos motivos de críticas a instituição policial que serve sua cidade.

Assim como uma antiga propaganda questionava se os biscoitos Trakinas eram mais fresquinhos e vendiam mais ou porque vendiam mais eram mais fresquinhos, eis que vos deixo minha indagação: as instituições ruins levam as pessoas a ficarem ruins ou as pessoas ruins é que fazem as instituições serem o que são? Eis a questão.

Curtam também a nossa página no FACEBOOK-QSP e no Instagram (QueroSerPolícia). Vejam também o nosso último posto CLICANDO AQUI.

Abraços

Comments

  1. By Luíza Helena

    Responder

    • By Carlos Cruz

      Responder

      • By Weslley

        Responder

        • By Luíza Helena

          Responder

          • By Weslley

    • By Weslley

      Responder

  2. By Valdeci Faustino

    Responder

    • By José Geraldo

      Responder

      • By Weslley

        Responder

    • By Weslley

      Responder

  3. By FRANCISCO CARLOS FERNANDES TAVARES

    Responder

    • By Weslley

      Responder

  4. By Josué

    Responder

    • By Weslley

      Responder

  5. By Leonardo

    Responder

    • By Weslley

      Responder

  6. By José Geraldo

    Responder

    • By Weslley

      Responder

  7. By douglas martins

    Responder

    • By Weslley

      Responder

  8. By Sandro

    Responder

    • By Weslley

      Responder

  9. By Damião Angelo

    Responder

    • By Weslley

      Responder

  10. By KARONI

    Responder

    • By Weslley

      Responder

  11. By Emanuel

    Responder

    • By Weslley

      Responder

  12. By Aparecida Maceió

    Responder

    • By Weslley

      Responder

  13. By Giovani

    Responder

  14. By Gerson Rocha de Souza

    Responder

  15. By Antônio Anderson

    Responder

    • By Weslley

      Responder

  16. By Marcus

    Responder

    • By Weslley

      Responder

  17. By Adnilson

    Responder

    • By Weslley

      Responder

  18. By Matheus Bernardes da Silva Santos

    Responder

    • By Weslley

      Responder

  19. By Leonardo

    Responder

    • By Weslley

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>