Letalidade policial: causa ou consequência?

Olá meus nobres

Ontem, vi uma reportagem no Jornal Folha Universal (edição de 1 a 7 de fevereiro de 2015) que ilustrava a capa com o tema QUANDO ELES DEVEM ATIRAR? Fiquei curioso e fui ler o texto.

O artigo trata sobre a letalidade policial e para isso percorre 3 pontos:

Ponto 1 – a morte da jovem Haíssa, no Rio de Janeiro em Agosto de 2014, decorrente de uma ação da PMRJ. Na situação, um dos policiais atira no carro onde estava a jovem argumentando que pediram para que o carro parasse, mas que a determinação não foi obedecida.

Ponto 2 – retrata os dados do 8º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, frisando que em 2013, 2.212 pessoas foram mortas pelas polícias Civil e Militar no Brasil.

Ponto 3 – a lei 13.060, sancionada pela Presidente do Brasil, em Dezembro de 2014, que disciplina o uso de instrumentos de menor potencial ofensivo pelos agentes de segurança pública brasileiros. Para a autora do artigo, esta lei visa “evitar que casos como o de Haíssa voltem a ocorrer”.

O texto ainda aponta, comparando o Brasil ao Estados Unidos, que a morte aqui está sendo banalizada e que os agentes policiais são despreparados.

Mais uma vez eu me frustro ao ver reportagens como esta que teimam em tirar a culpa de quem de fato para coloca-la, exclusivamente, na polícia. Como falar de banalização da violência e do aumento desta, sem falar do tráfico de drogas? Como falar de segurança pública sem tocar na corrupção brasileiro que há anos nega aos brasileiros uma vida digna, rasgando a constituição no tocando aos direitos fundamentais? Como falar de letalidade policial e falta de preparo destes, sem falar no tráfico de armas, crescimento das facções criminosas, crescimento dos crimes e violência provocado pelos traficantes? Como restringir a solução para isso tudo, apenas com a troca da arma de fogo pelas armas de baixa letalidade? Vendo textos assim, é que tenho a plena certeza que não podemos nos comparar aos Estados Unidos.

Fica a reflexão!

Comments

  1. By Lucas Andrade

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *