PO a pé: histórias de vida

post sobre a poesia do po a pé

A poesia do PO a Pé

O Policiamento Ostensivo a pé (PO a pé) é uma das modalidades de policiamento existentes na polícia militar, normalmente são dois policiais, com carga horária de 6 horas e cartão programa com os pontos determinados para policiar, é nessa modalidade que muitos policiais estagiam e iniciam a carreira pós formados.

Alguns gostam do PO a pé, mas a grande maioria não vê a hora de encerrar essa etapa e partir pra viatura. Alguns ficam poucos meses, outros ficam por anos, já conheci um policial que ficou 18 anos nessa modalidade de policiamento e aqui em Salvador isso significa muito Sol na moleira. Creio que tudo na vida tem o lado bom e ruim, apesar das horas em pé, em condições climáticas adversas, do PO ficam muitas histórias e experiências. Tudo depende do local, mas normalmente o policial conhece o dono do mercadinho, os zeladores dos prédios, moradores, professores, crianças que retornam da escola e sempre olham curiosas ou param pra falar, além do mascote, isso mesmo, sempre surge um cachorro pra acompanhar o PO.

Dos meus tempos de P.O, guardo algumas boas lembranças, resolvi relatar uma figura ímpar que conheci, um senhor de cerca de setenta anos, sempre contando suas histórias de vida, e falando das suas pernas cansadas. Comerciante, escritor, advogado, sempre bastante atencioso, me presenteou com um livro de sua autoria, um livro de poesias. Dos vários textos, um ele me fez ler na hora, é uma homenagem às mulheres, eu amei, guardei no coração e resolvi nessa oportunidade compartilhar com as mulheres daqui, não podendo deixar de fora os homens sensíveis ao esplendor das mulheres. Sei que o dia da mulher já passou, o mês da mulher está encerrando, mas acredito que todos os dias são nossos. Então vamos lá!

Do P.O pra vida.

Mulher

O mais abrangente de todos os temas, fonte inesgotável de inspiração, símbolo maior da atração, ícone singular da beleza, a mais sinuosa das formas.

Matriz de nossa perpetuação, rainha de todos os reinos, a personificação da tolerância, o fiel de equilíbrio das instituições, a primeira fonte de nutrientes.

A causa dos primeiros conflitos em nossa infância, razão maior de infindáveis conquistas, a mais tenra superfície que nossas mãos alcançam.

O mais penetrante dos olhares, dos seres vivos a maior fenilidade, o mais profundo poço de desejos, o ápice da inconsequência, o maior dos icebergs e maior erupção de todos os vulcões.

A mais cadente das estrelas, marco divisor e propulsor dos mais extremos dos sentimentos.

Comanda coma postura de comandado, uma usina de sonhos e ilusões, o maior espetáculo de beleza que a natureza criou: é musa, é estrela, é perfume, é prazer, é mãe, simplesmente é.

Sobre ela, não há poder de síntese, não há dicionário nem maturidade, não há inspiração nem poeta, nem escritor capaz de esgotar talento e definir a mulher e sem dúvida, de todos, eu sou o mais incapaz.

                                                                                                                                             (Juranci Sobral)

E você, teve a sua fase do P.O? O que guardou de bom? Compartilhe seu relato conosco! 😉

Comments

  1. By Asp PM Mário Jorge

    Responder

    • By Isabella

      Responder

  2. By Larissa

    Responder

    • By Isabella

      Responder

  3. By Larissa

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *