CPAC : guerreiros do sol na selva branca

post sobre a cpac caatinga

Como surgiu a CPAC?

No início deste século constatou-se o aumento na ocorrência de assaltos no norte da Bahia, resultantes da migração de meliantes advindos de Pernambuco, tendo em vista a implantação da Companhia Independente de Operações e Sobrevivência em Área de Caatinga (CIOSAC), em 1997. Em consequência, os meliantes atravessaram o Rio São Francisco para aterrorizar os moradores das cidades de Abaré, Chorrochó, Macururé e Rodelas.

Neste sentido, em 2001 houve um grande empenho na busca de soluções e melhorias, na área de Segurança Pública da região. Inicialmente foi sugerido que o TOR (Tático Ostensivo Rodoviário) permanecesse em definitivo naquela região e posteriormente optaram pela criação de uma companhia nos mesmos moldes da CIOSAC, iniciando desta forma o projeto para criação da Companhia de Polícia de Ações em Caatinga (CPAC).

Comandantes das diversas unidades da PMBA, se reuniram na cidade de Teixeira de Freitas, e o então Comandante Geral, Coronel PM Jorge Luiz de Souza Santos, anunciou o projeto de criação de uma Companhia de Policiamento em Área de Caatinga – CPAC, que seria sediada no Distrito de Barra do Tarrachil, região que faz divisa com o com conhecido “Polígono da maconha”.

Então, no dia 18 de abril de 2001, na cidade de Paulo Afonso, foi exposto em uma reunião o plano de ação para implantação da companhia, e em seguida foi lido o decreto nº 7.926 que criou a CPAC, bem como o decreto de exoneração do Capitão PM Valter Araújo da 25ª CIPM/ Casa Nova e a nomeação do mesmo para o comando desta recém-criada Unidade Operacional Especializada (UOE), sendo implantada em 03 de junho do mesmo ano.

No ano de 2002 os 1º Tenentes PM Henrique José Moreira Borri e Ednaldo Siqueira Vieira, foram designados pelo Capitão Motta Lima para participarem do curso de operações especiais na Colômbia. Em 2003, esses oficiais criaram o Curso de Operações Rurais – COR, que foi imprescindível na operação conjunta com a Polícia Federal e a CIOSAC contra a quadrilha de Cleiton Araquan, uma das mais imponentes e perversas do Nordeste. Em 2009, por decreto do governador do Estado, a CPAC passa a chamar-se Companhia Independente de Policiamento Especializado – Caatinga, CIPE – Caatinga.

Missão da CPAC

É promover a Ordem Pública em parceria com os Órgãos de Defesa Social, atuando em todo território do Estado, com prioridade para a Região Norte, Baixo Médio São Francisco e Piemonte da Diamantina, executando para isso, as diversas variáveis de policiamento ostensivo em apoio a outras unidades operacionais, em repressão as ações de organizações criminosas.

cpac-caatinga

Oração do Guerreiro de Caatinga

Senhor,
Vós que fostes sábio ao criar os rios e os mares
Pareceis ter esquecido do nosso Sertão
Vós que destes aos homens
A terra para dela tudo tirar
Não nos destes a mesma sorte
Porém hoje, ó Deus, vejo quão generoso fostes
A nós guerreiros de caatinga
Deste-nos a resistência ao sol
A sapiência para da natureza tudo aproveitar
A força de vontade para continuar a lutar
E ante o inimigo jamais recuar

Obrigado Senhor Deus
Porque criastes um ambiente
Onde um ser humano comum não possa sobreviver
Pois só os perseverantes e os fortes de espírito
Aqui conseguem lutar

Brasil, Sertão

(2º Ten Inf Laércio Arzambuja da Rocha)

Para ingressar na CPAC

Para servir na Companhia, o policial militar deve possuir, como pré-requisito, o curso de CAATINGA ou de OPERAÇÕES RURAIS – COR.

“Sempre que possível,
com a maior força possível,
o mais rápido que puder”

CPAC – Sertão – Caatinga!

No Responses

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *