Ética policial: o que está havendo?

imagem do topo do post sobre ética policial

Tema: ética policial

A honestidade e a lisura são traços típicos e inerentes à profissão militar, porém, é comum ver-se casos de corrupção e excessos nas corporações de polícia. O histórico problema educacional, a falta de priorização dos governantes nas questões sociais e a caducidade das leis brasileiras, apresentam-se como algumas das causas principais dessa problemática.O primeiro aspecto a ser tratado é sobre o sucateamento da educação no país. Falta estrutura adequada para o trabalho, além da crescente deslegitimação da profissão do magistério, a partir dos baixos salários e da insegurança nas escolas públicas. Desta forma, entende-se que o cidadão que ingressa no curso de formação da polícia já tenha passado, no mínimo, 12 (dose) anos estudando, o que o torna “produto” deste descaso em que se encontra o setor educacional.

Entretanto, a escola é apenas uma parte do mosaico de relações à que está submetido o homem que vive em sociedade, sendo assim, direitos como lazer, cultura e esporte tornam-se essenciais para a formação integral do cidadão. Contudo, estas obrigações estatais, por vezes, são negligenciadas em detrimento de políticas que valorizam, exclusivamente, os setores ligados à economia e ao comércio.

O baixo nível educacional e os “minguados” recursos destinados para as políticas públicas, de cunho social, contribuem diretamente para o crescimento da violência e da criminalidade – consequentemente – junto com os ilícitos, cresce também a sensação de impunidade, pois, poucos crimes são investigados e solucionados, fruto – principalmente – das fragilidades encontradas nas antiquadas leis, penal e processual, do Brasil.

Destarte, sem a presunção de exaurir tal temática, entende-se que a questão da ética e honestidade na profissão policial não deve ser encarada de forma pontual e isolada. De modo que, a solução deste problema demandará do Estado brasileiro ações multissetoriais – desde a educação até a segurança pública – além de exigir dos governantes um redirecionamento das suas prioridades na gestão pública.

 

Comments

  1. Responder

    • Responder

  2. Responder

  3. By Anonymous

    Responder

    • Responder

  4. By Ariel Garcia

    Responder

  5. By Bruno Quesado

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *