Então é Natal

post sobre o período de natal e a polícia

by: Cap PM Carla – Muriaé

Rou Rou Rou (porque sou brasileira e mineira da gema) … Então é Natal!

De repente todas as coisas param e entramos num ritmo acelerado de caça à felicidade. E utilizando da desculpa de que trata-se de um tal espírito natalino (criado pela mídia para ficarmos endividados, bêbados e gordos), nos esquecemos de que natal é comemoração do nascimento do Menino Jesus e não nosso nascimento, muito menos de nossos amigos e familiares (o que justificaria a compra de tantos presentes).

E em momentos de pura empolgação e insanidade, saímos às ruas munidos de uma arma poderosa, o cartão de crédito! E puxamos o gatilho muitas vezes e sem fazer mira, apenas pelo prazer de “matar” o que está nos matando: uma vontade louca de seguir a moda, de mostrar que somos felizes, que nos importamos com o outro, que somos bons, que acreditamos que o “bom velhinho” pode resolver todos os nossos problemas e realizar todos os nossos sonhos e necessidades (e que o mundo vai acabar amanhã). SQN.

A lei do retorno do Natal

Porém, quando nos damos conta, percebemos que fizemos o que a maioria das pessoas fazem e depois nos arrependemos por, pelo menos uns três meses do ano seguinte… pois, ainda que o leitor/leitora tenham sido acometidos por uma amnésia natalina (pra não falar ressaca pelo vinho de péssima qualidade rs) e não se deram conta, a “fatura” vem e vem à cavalo, sem dó e nem piedade rs. E muitas vezes vem alta, bem alta… Aí falamos que a “culpa é das estrelas”.

A cachaçada produtiva

Ah, o blog… já ia me esquecendo de registrar que esse texto surgiu da promessa que fiz ao meu amigo Tenente Wesley em um dia de cachaçada, o que pressupõe que eu não tinha a menor condição de prometer nada… (cachaçada por parte da autora, pois o Wesley é quase um anjo e não bebe).

Mas meu ato impensado não teve perdão e, ainda que meus motivos fossem os mais nobres, fui cobrada em demonstração pura de golpe baixo do meu “amigo da onça”.

E segue a segurança pública

Assim é tratada a segurança pública! Ninguém valoriza, ninguém investe, ninguém vê! Todos loucos pelo “espírito do egoísmo”, cada um defende o seu e, se necessário for, prejudica o outro, e dane-se todo o resto. Isso até acontecer algo que necessite da intervenção das forças policias.

Aí é que a porca torce o rabo: e tentamos desesperadamente achar os culpados, e a essa altura as “estrelas” já deram meia-volta-volver e muito provavelmente sobrará para os profissionais mal preparados (pareço a mãe Diná) e truculentos. Querem ser “perdoados” pelas infrações cometidas mas, paradoxalmente (vi num texto e achei bonita a palavra) a isso querem providências contra o outro…

Querem atendimento “à jato”. Obviamente que é o ideal e que busca-se constantemente por um melhor acolhimento daqueles que vem até nós, mas infelizmente nosso aparato policial é infinitamente menor que a necessidade das pessoas de bem.

Não existe um investimento minimamente razoável nas estruturas das forças de segurança pública! Mas vamos que vamos que o brasil é nosso… quando eu ajo com irresponsabilidade e saio “atirando” pra todo lado e cometendo desatinos eu contribuo para a instalação do caos, seja na minha vida, na minha família, na comunidade onde moro e, consequentemente na questões de segurança, já que “Segurança pública, dever do Estado, direito e dever de todos (art 144 CF)”.

Que tal começar a participar da construção de uma comunidade mais feliz e mais segura?


Gostaram do texto? Então divulga essa bagaça aí e deixa seus comentários também! Curtam lá o nosso perfil no FACEBOOK-QSP e também a página no Instagram (@queroserpolicia).

 

Comments

  1. By Karinyfineza@hotmail.com

    Responder

  2. By luiz

    Responder

  3. By Jorge Eller

    Responder

  4. By Jordão Vieira

    Responder

  5. By Adnilson Amaral

    Responder

    • By Weslley

      Responder

  6. By Wilson

    Responder

  7. By Wisllas

    Responder

  8. By Isabella

    Responder

  9. Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *