Educação Financeira

 post sobre educação financeira para militares

Deseducação financeira

Olá meus nobres.

Iniciarei o texto hoje com uma frase que ouvi em um dos primeiros dias de aula na Academia de Polícia: “Se vocês estão aqui por causa do dinheiro, vão embora; se queriam enricar, estão no lugar errado”, (risos). Eu como aluno (ser sem luz), acreditei e até reproduzi essa “terrível máxima”. Parece até as conversas daqueles colegas revoltados com a vida que costumam dizer que para ser rico tem que já nascer rico, pois, até os pobres que ganham na loteria, logo depois voltam a ser pobres.

A história está aí para mostrar o contrário. Lógico que não é a sua profissão que vai definir a sua estabilidade financeira, e sim, aquilo que você faz com o seu dinheiro. Não importa se você ganha mil ou 10 mil, o que importa são os seus objetivos e que o você é capaz de fazer (licitamente, é claro) para alcança-los. Na polícia costuma-se achar que os oficiais são ricos porque ganham mais, contudo, percebo que é crescente o número “praças” que alcançam a sua estabilidade mais rápido do que os seus superiores.

Existe uma saída!

Tudo é uma questão de educação financeira, estratégia e disciplina. Poderia dizer aqui que o primeiro passo seria “acreditar que é possível ficar rico trabalhando”, mas sinceramente? Eu passei a achar que para acreditar em algo é preciso conhecer primeiro. Então, como acreditar na educação financeira se não temos acesso a este conhecimento em nenhum momento da nossa vida escolar? Eu tenho a resposta: seja curioso e busque você mesmo, pois, se este conhecimento está lhe sendo negado é porque existe um propósito nisso.

Buscar a educação financeira não é, necessariamente, se tornar um empreendedor, comerciante ou artista (pode até ser isso, mas não apenas isso), mas é conhecer o que será saudável para as suas finanças e o que não será; é saber quando, como e porque realizar investimentos ao longo da vida e não apenas gastar dinheiro; é aplicar em nossas vidas a “fórmula do sucesso” que muita gente usou, mas não divulgou para os “miseráveis mortais”.

O papa margem

Chegando ao fim do deste texto você pode estar se perguntando: o que este tema tem a ver com a profissão policial? Respondendo: tudo a ver; a carreira policial é uma das mais estressantes e muitas vezes, o militar adquire dívidas e mais dívidas achando que está fazendo um “coisão” ao deixar a sua margem do consignado zerada. A coisa fica tão feia que chega a se tornar um caminho sem volta. Não acho que o policial no Brasil ganha o suficiente para viver no luxo, mas também não acho que o que ganhamos nos torna miseráveis. Tudo perpassa pelo conhecimento!

Correndo atrás do prejuízo!

Enfim, abaixo vou deixar algumas sugestões de canais no youtube que poderão esclarecer o que foi dito acima. Existe um conformismo geral entre os trabalhadores (principalmente policiais), que costumam achar que se você é assalariado então sempre estará apertado financeiramente, mas isso é bobagem; tem muito ricaço por aí com a corda no pescoço, pois apesar de ter dinheiro não sabe o que fazer com ele.

E você, vai continuar com esse discurso ultrapassado ou vai se arriscar na educação financeira?

Aqui, algumas indicações de canais que tratam sobre o assunto:


Meus amigos, comentem, critiquem, discordem ou aplaudam, mas não esqueçam de compartilhar este tipo de conhecimento. Nos visitem também nas páginas do Instagram (@queroserpolicia) e também no Facebook-QSP.

Comments

  1. By weslley

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *