Casa de caixa

post sobre a casa de caixa que caiu

Brincadeira de criança

Pra quem acompanha os posts deste site sabe que minha infância deveras difícil. Logo, não tinha carrinhos de controle remoto, heróis da Marwel, etc.

Carrinhos eram feitos de sabuco de milho. Boizinhos eram feitos de pepino. Diversão era soltar papagaio e jogar bola de meia. Vez ou outra ganhava uma bola de “dente de leite” que durava um único chute até encontrar os espinhos da roseira. Chorava porque a bola furava. Chorava porque a quebra dos botões de rosa geravam um coro arrumado…

O surgimento do engenheiro de caixas

Uma das brincadeiras que eu gostava era fazer casa de caixa. Meu pai tinha caixas de madeira onde se colocava tomates. Eu as usava para fazer “casas”. Pare de preconceito. Não era brincar de casinha. Era o início de um engenheiro que nunca se formou e você já vai entender o por quê.

Eu ia empilhando as caixas e fazendo os cômodos. Telhado era bambu ou folha de uma árvore que eu não sei o nome. Montava em um dia, escorava, remendava, amarrava e no outro dia, durante os ventos noturnos, estava tudo no chão.

Muitas vezes, aquela escultura malfeita ruía comigo dentro. Era umas “cachadas” pelo lombo a fora, uns cortes pela cabeça e segue o jogo. Dizem que um guerreiro tem que carregar as cicatrizes de guerra (momento vergonha alheia).

No outro dia, lá vai eu reconstruir o que no final do dia ia cair de novo. Eu tentava novos remendos, mais cipós ou tiras de bananeiras pra usar de corda, não adiantava, a matéria prima não ajudava: as caixas.

Muda-se o cenário, mas os atores…

As caixas não davam encaixe. Umas eram maiores, outras menores, não tinha jeito.

Não vendo sucesso no âmbito da engenharia, continuei a escolher uma profissão em que todo dia você tenta construir uma casa SEGURA, contudo, pela manhã, as caixas (infratores) não estão presas onde deixei e você tem que começar tudo de novo. A planta de montagem é torta, as caixas, logicamente, não ajudam, venta muito pra tirar as caixas do lugar e a arte do improviso ainda prevalece. O bom é que a infância forjou a continuar e não desistir. Amanhã, tudo vai cair de novo, mas eu sempre vou recomeçar!


Gostou do texto? Então divulga essa bagaça aí e deixa seus comentários também! Curtam lá o nosso FACEBOOK-QSP e também a página no Instagram (@queroserpolicia).

Comments

  1. By Rodiney

    Responder

  2. By Rodiney

    Responder

  3. By Rodiney

    Responder

  4. By Bruno nunes

    Responder

    • By Weslley

      Responder

  5. By Wagner

    Responder

  6. By sterphison duarte

    Responder

  7. By Renan

    Responder

  8. By Gerson Rocha de Souza

    Responder

    • By Weslley

      Responder

  9. By Aspira de BQ

    Responder

  10. By Junio

    Responder

  11. By Lucas

    Responder

    • By Weslley

      Responder

  12. By Isabella

    Responder

  13. By Jordão Vieira

    Responder

    • By Weslley

      Responder

  14. By Adnilson Amaral

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *