Abstenções nas eleições 2012

imagem que ilustra artigo abstenções nas eleições 2012
Abstenções eleitorais – importante tema!
Por Mineiro
Bacharelando em Direito
       Há algum tempo o Congresso brasileiro discute uma reforma política. O excesso de partidos, a dificuldade do executivo governar tendo que negociar com tantos “micro partidos” e o financiamento particular de campanhas eleitorais que faz com que haja uma ligação perigosa entre financiadores e agentes públicos eleitos são apenas algumas das críticas ao atual sistema. Se o povo ainda não conseguiu se mobilizar para cobrar esta reforma, assim como conseguiram fazer com a famosa lei da ficha limpa, especialistas na área garantem que o alto índice de abstenção da última eleição é a forma que o povo encontrou de demonstrar que não está satisfeito e que alguma coisa tem que ser mudada.
         O voto no Brasil é obrigatório, mas mesmo assim na última eleição, os eleitores preferiram justificar seu direito ativo do sufrágio universal a ter que escolher um candidato. É interessante que este número de abstenção vem aumentando a cada eleição e é extremamente preocupante o fato deste índice ser tão alto nas eleições municipais, eleições estas, que em tese, tem um maior envolvimento do eleitor, face a proximidade com os candidatos e uma maior reflexão política do voto, até mesmo porque, em muitos casos, a eleição é decidida por poucos votos de diferença.
         A preocupação com a abstenção vai além de uma simples rejeição aos candidatos. Ela demonstra, ainda que veladamente, que o cidadão brasileiro está cada dia mais apolítico. Esta aversão a política, ou mesmo quem sabe, essa omissão em relação a participação no Estado é algo extremamente perigoso. Países que tem um povo com tal tendência são facilmente manipulados por lideranças carismáticas que aproveitam do poder para o seu bel prazer. Corre-se ainda o risco do aumento da corrupção, uma vez que o povo deixa de exercer um de seus deveres / direito, que é a fiscalização dos agentes políticos.
         A história de quem não se posiciona em política já está fazendo política é um velho bordão, que pode até mesmo, ser uma verdade teórica, mas na prática, é maléfica.  Corre riscos a nação que não tem um povo politicamente maduro. Nossa democracia é muito recente e ainda está dando seus primeiros passos. Nosso índice de abstenção prova isso.

 

Comments

  1. Responder

    • Responder

  2. By Jhana

    Responder

  3. By mineiro

    Responder

    • Responder

  4. Responder

Responder a Jordão Vieira Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *